Música na Escola

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Já pensou como a Aula de Música na Escola é importante para o desenvolvimento das pessoas?

Aqui neste post, refletiremos sobre o poder desta Arte tão fluída.

Primeiramente, queremos lembrar de Howard Gardner com sua Teoria das Inteligências Múltiplas.

Com a teoria, vemos a Inteligência Musical e percebemos que essa Arte está presente em nosso cotidiano.

Seja com os cantos dos pássaros, nossa playlist preferida ou até mesmo com a vizinhança em seus altos sons de carros…

Mas o que isso tem a ver com a Educação Básica? Vejamos!

Aula de Música na Escola

Podemos encarar a Música como uma Linguagem poderosa, capaz de criar mais sinopses cerebrais e corporais-cinestésicas.

Dessa forma, ela contribui com o desenvolvimento de outras compreensões, seja nos campos artísticos. Seja no desenvolvimento de habilidades da língua materna, estrangeira ou até mesmo da Matemática.

Certamente, quanto mais incentivo à escuta e à percepção das construções musicais, mais progressões pessoais e coletivas teremos.

Assim, a escola tem papel fundamental, em complemento com as famílias, na promoção de percepções diversificadas.

Como as Aulas de Música entram no Currículo da Escola?

De forma prática, pensemos na Educação Infantil.

As crianças pequenas são puro movimento e curtição.

Ali elas precisam ampliar seus repertórios de modo brincante e divertido, pois ainda estão nessa fase.

Assim, a Música deve fazer parte de suas rotinas, em momentos de percepção dos espaços, dos corpos e de suas relações.

Já no Ensino Fundamental 1, as brincadeiras continuam, no entanto, podem começar a ganhar mais estruturas de formalização dos conhecimentos.

Fato que se aprofunda no Fund. 2, ciclo no qual as estudantes e os estudantes já têm mais maturidade e organização para tal.

Nos dois ciclos, a área de línguas pode aproveitar os estudos poéticos e linguísticos em suas análises, a Matemática estudar padrões, as Ciências Humanas períodos e contextos…

Chegando no Ensino Médio as turmas já terão mais habilidades e competências para aprofundar seus conhecimentos e práticas.

Estamos fazendo uma progressão lógica, seguindo parâmetros de referências educacionais.

Porém, sabemos que padrões são quebrados para ganharem mais sentido. De acordo com as realidades escolares e suas complexidades.

O que vale ressaltar: em qualquer ciclo a Música precisa manter o encanto da diversão, entretenimento artístico e estético, sem grandes neuras pedagógicas 😉

O poder da Música

Acreditamos que Metodologias Ativas da Educação, como por exemplo as baseadas em projetos, são mais propícias a encontrar caminhos para atividades musicais.

Mas também confiamos na criatividade para incluir a Música em aulas de diferentes formatos.

Pois o principal é ouvir, ouvir muita música e brincar de música, com a percepção e a sensibilidade, para deixar que a nossa imaginação ganhe movimentos e texturas.

Ora, concordamos, então, que essa arte é essencial para nossos convívios, desenvolvimentos com “alegria, alegria” e até de “bom dia, tristeza“…

A Música tem o poder de nos conduzir em nossos processos de aprendizagens e autoconhecimento.

Mas como disse o poeta “é melhor ser alegre que ser triste”!

E você, conta pra gente, quais são suas percepções sobre a Música?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Inteligência Intrapessoal – Autoconhecimento

Inteligência Intrapessoal: a importância de nos conhecermos (autoconhecimento) atravessa todas as marcas do tempo. O autoconhecimento é uma ferramenta necessária e poderosa para revelar a

Educação Maker

Você conhece as ideias da Cultura e Educação Maker? Veja aqui os principais pontos e propostas do “faça você mesmo”. Há tempos a Educação tem

Learn by Doing

Você conhece o conceito do Learn by Doing? Veja neste post a ideia de John Dewey para o Aprender Fazendo. Há muito tempo, desde Aristóteles, ouvimos dizer que