Escola Waldorf – Pedagogia Waldorf

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Você conhece a filosofia da Pedagogia Waldorf, ou melhor, você sabe como funciona uma Escola Waldorf?

Conheça neste post as principais características da proposta desenvolvida pelo pensador Rudolf Steiner.

Primeiramente, Rudolf Steiner, nasceu em 1861, no ainda chamado Império Austro-húngaro.

Por volta de 1893, Steiner publicou sua obra fundamental A Filosofia da Liberdade.

Nela discutem-se as concepções entre Cognição e Percepção para a atuação da vida humana.

Além disso, questiona e apresenta propostas para o Autoconhecimento, a Autodeterminação, o Livre-arbítrio e o Direito Individual das Pessoas.

Assim, com essas propostas e princípios, surge a Pedagogia Waldorf.

Por que a pedagogia praticada na Escola Waldorf tem esse nome?

Inusitadamente, o nome da filosofia pedagógica criada por Steiner está associado à uma fábrica de cigarros.

Diante do cenário de separações, após Primeira Guerra Mundial, o diretor da fábrica de cigarros Waldorf-Astória chamou Rudolf Steiner para apresentar suas reflexões.

Isso se deu em um movimento social de fortalecimento humanitário, inicialmente com as pessoas que trabalhavam na fábrica.

Por consequência, em 1919, foi criada a primeira Escola Waldorf, em Stuttgart, para as filhas e filhos dessas pessoas.

Princípios gerais da Escola Waldorf

O principal embasamento da Pedagogia Waldorf está no conceito de Antroposofia.

Resumidamente, o conhecimento holístico que compõe as pessoas.

Ou seja, dentro dessa filosofia, a junção entre percepção e cognição humanas, as ciências e os conhecimentos espirituais, religiosos e esotéricos.

Essa ideia de Educação Integral está presente na grande tecelagem de concepções pedagógicas consideradas inovadoras.

Respeito ao tempo de aprendizagem, à liberdade de escolhas e à democracia cooperativa torna a Pedagogia Waldorf uma referência de amplitude para construção de repertórios responsáveis e cidadãos.

Características específicas

Talvez, a Pedagogia Waldorf ainda seja vista como uma metodologia radical.

Isso se dá por algumas de suas características específicas, como por exemplo as crianças não utilizarem cadernos pautados, nem se preocuparem formalmente pela alfabetização antes dos 7 anos.

Ou ainda, não terem contatos com aparelhos eletrônicos ou produtos industrializados para a alimentação.

Até mesmo atitudes que deveriam ser vistas como incentivadoras, tais quais a confecção de mochilas, brinquedos e acessórios por parte das famílias e responsáveis.

A importância da Pedagogia Waldorf

Apesar de todas as diferenças e peculiaridades, vale ressaltar que as Escolas Waldorf são regulamentadas e reconhecidas.

Base Nacional Comum Curricular é o alicerce, inclusive, podemos notar relações diretas com as 10 Competências Gerais.

No entanto, a liberdade de escolhas e construções dos currículos é prevalente e diferencial, respeitando o legado de Rudolf Steiner.

Ademais, acreditamos que a Pedagogia Waldorf pertence ao grande movimento educativo para a formação cidadã em uma sociedade justa, inclusiva e sustentável.

Indo além das fronteiras das formalidades puramente acadêmicas.

E você, tem alguma experiência sobre a Pedagogia Waldorf para nos contar?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Inteligência Intrapessoal – Autoconhecimento

Inteligência Intrapessoal: a importância de nos conhecermos (autoconhecimento) atravessa todas as marcas do tempo. O autoconhecimento é uma ferramenta necessária e poderosa para revelar a

Educação Maker

Você conhece as ideias da Cultura e Educação Maker? Veja aqui os principais pontos e propostas do “faça você mesmo”. Há tempos a Educação tem

Learn by Doing

Você conhece o conceito do Learn by Doing? Veja neste post a ideia de John Dewey para o Aprender Fazendo. Há muito tempo, desde Aristóteles, ouvimos dizer que